sempre cabe mais um… um lugar, um bom amigo, uma nova cor…

memórias da casa

Falávamos de amor, sim.

Do amor às histórias e

Às coisas que as carregam.

 

Falávamos do que nos move

E nos movemos um

Em direção ao outro.

 

Eu olho em volta

E objeto algum guarda a história desses dias.

Guardam as almas suas pequenas alegrias,

Guardam os corpos a sua festa.

 

***

 

Na casa, o objeto maior guardador das memórias

Projeta-se a festa dos corpos.

Entre suas paredes, dentro das suas penumbras,

Teu cheiro, teu gozo, teu beijo.

 

 

26 de setembro de 2016.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s